Bolsonaro defende ‘recompor’ defasagem do salário mínimo, que subiu abaixo da inflação

O presidente Jair Bolsonaro (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

 

O presidente Jair Bolsonaro defendeu nesta terça-feira a correção da defasagem que fez com que o salário mínimo fosse reajustado abaixo da inflação. Bolsonaro afirmou que há uma “brecha” para isso, mas ressaltou que a decisão será tomada em uma reunião com o ministro da Economia, Paulo Guedes, na tarde desta terça.

O piso para este ano foi fixado em R$ 1.039, alta de 4,1% em relação ao do ano passado. O cálculo foi feito com base na projeção para o INPC, mas o indicador acabou fechando o ano em 4,48%.

saiba mais

  • Teto dos benefícios do INSS sobe para R$ 6.101,06 em 2020

“Vou me reunir com o Paulo Guedes agora à tarde. Acho que tem brecha para a gente atender. Porque a inflação de dezembro foi atípica, né, por causa do preço da carne. 14h tenho despacho com Paulo Guedes para decidir esse assunto”, disse Bolsonaro, ao sair do Palácio da Alvorada.

Questionado sobre a ideia é recompor a inflação, Bolsonaro concordou, mas destacou o impacto que isso teria no Orçamento: “É, a ideia é…No mínimo, né, isso aí (recompor a inflação). Agora, cada R$ 1 no salário mínimo são mais ou menos R$ 300 milhões no Orçamento. A barra é pesada, mas a gente não pode, apesar de ser pouco o aumento, R$ 4 ou R$ 5, a gente tem que recompor”.

Bolsonaro também disse que discutirá com o secretário de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, a possibilidade de contratação de servidores e militares da reserva para zerar a fila de pedidos no INSS.

“Devo estar com o Marinho hoje ou amanhã, acho que ainda hoje. Ele pretende contratar, a lei permite, né, servidores ou militares da reserva, pagando 30% a mais do que ele ganha para a gente romper essa fila que aumentou muito por ocasião da tramitação da reforma da Previdência.”

O presidente afirmou que ainda não decidiu se autorizará um subsídio na conta de luz de templos religiosos.

“Estou apanhando e não decidi nada ainda. Eu não sei por que essa gana de dar pancada em mim o tempo todo. Eu assinei o decreto? Então por que essa pancada?”, disse, acrescentando: “Eu decido aos 48 do segundo tempo ou 54. Lembram que o Palmeiras ganhou um jogo aos 54 do segundo tempo? Eu decido na hora certa.”