Cidades japonesas criaram seu “Tinder” para frear êxodo rural

Casal japonês (Foto: Carl Court/Getty Images)

 

De um lado, grandes centros urbanos com excesso de mulheres solteiras. De outro, cidades do interior com homens procurando esposas. Esses ingredientes fizeram autoridades no Japão criarem uma solução para a solidão: serviços de paquera online que une pessoas de diferentes regiões do país.

Segundo a revista The Economist, o serviço é chamado de iju konkatsu (caça migratória por namorado). A prefeitura de Akita, localizada no norte do Japão, estima que já uniu 1.350 casais com o site deles, lançado nove anos atrás.

saiba mais

  • Governo japonês quer mais estrangeiros trabalhando no país
  • 5 milhões de pessoas pagam para usar o Tinder

O konkatsu vai além de apenas ser uma tentativa de unir casais. Para regiões rurais como Akita, é uma necessidade para segurar a queda populacional que afeta 40 das 47 prefeituras japonesas. Essa queda, em maior parte, é causada pela migração de jovens para cidades grandes, normalmente para estudar em universidades.

A migração também causa um desequilíbrio de gênero. Mulheres japonesas oriundas de regiões rurais têm maior probabilidade de migrar para grandes cidades do que homens. Por isso, os grandes centro urbanos ficam com um excesso de mulheres solteiras, enquanto as áreas rurais têm mais homens solteiros.

+ Maioria dos casais heterossexuais se conhece por sites ou aplicativos

O serviço busca unir esses problemas em uma única solução. Regiões com queda populacional conseguem atrair pessoas para o interior com a promessa de casamento e os solteiros conhecem pessoas novas, fora dos círculos sociais deles.

“Usando o site de konkatsu, esperamos que mais pessoas de fora irão casar alguém de Akita e vir morar aqui,” disse Rumiko Saito, do centro de apoio ao casamento de Akita, a The Economist.

Quer receber as notícias de Época NEGÓCIOS pelo WhatsApp? Clique neste link, cadastre o número na lista de contatos e nos mande uma mensagem. Para cancelar, basta pedir.