Governo reduz previsão de crescimento da economia em 2018

Real ; inflação ; IPCA ; poupança ; desvalorização ; Selic ; juros ; inadimplência ; recessão ; PIB do Brasil ; dinheiro ;  (Foto: Marcos Santos/USP Imagens)

 

O governo federal reduziu a expectativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,97% para 2,5%, em 2018, informou o relatório bimestral de avaliação de receitas e despesas, divulgado nesta terça-feira (22/05) pelo Ministério do Planejamento.

saiba mais

  • PIB brasileiro cresce 0,9% no primeiro trimestre, mostra FGV

De acordo com o documento, nos dois primeiros meses do ano, a expectativa de crescimento era de 3%. Com isso, o valor do PIB nominal estimado pelo governo é R$ 6,968 trilhões. Além disso, ocorreram mudanças na projeção da inflação, que é medida pelo Índice Nacional de Preço ao Consumidor Amplo (IPCA).

No primeiro bimestre, a inflação estimada era de 3,64%, mas agora a expectativa é que os preços subam, na média, cerca de 3,11%. Segundo os dados, a redução na expectativa do PIB deste ano foi atribuída a uma queda no consumo de serviços durante o primeiro trimestre, que fechou abaixo da projeção inicial. No entanto, a previsão de crescimento da economia para 2019 foi reajustada para cima, passando de 3% para 3,3%.

Na última semana, o Banco Central já havia registrado uma queda na atividade econômica, indicando uma retração de 0,13% no PIB no primeiro trimestre de 2018, na comparação com os últimos três meses de 2017.

Taxa de câmbio e petróleo
No relatório divulgado hoje, o governo prevê uma taxa média do dólar em R$ 3,35. O valor é 2,6% superior ao projetado no bimestre anterior. Nos últimos dias, a moeda norte-americana chegou a ser valorizada mais de 3,8%. Já a previsão sobre o preço médio do barril de petróleo também sofreu reajuste. Conforme os dados, o governo estima um valor de US$68,30 a cotação do barril do tipo Brent. O preço equivale a um aumento de 5,1% sobre o bimestre anterior, que registrou US$ 64,98.

A mudança de expectativa ocorre depois que o governo dos Estados Unidos pôs fim ao acordo nuclear com o Irã, que é um dos maiores produtores do combustível no planeta. Com isso, o petróleo foi valorizado.